Quando os seringueiros falam: o trabalho nos seringais e convocações para os combates pela posse do Acre no início do século XX

Daniel da Silva Klein

Resumo


Resumo.

 

            Este artigo tem como objetivo discutir as falas dos seringueiros sobre como chegaram ao vale do rio Acre e de que maneira tomaram parte nas lutas pela posse dessas terras, tratando de elaborar uma análise narrativa cujo fim é explorar um experimento da microhistória. Utilizou-se como base documental fichas historiográficas elaboradas pelo Instituto Histórico e Geográfico do Acre, que foram confrontadas com fontes complementares tais como relatórios governamentais, séries estatísticas e jornais. As posições desses trabalhadores lançam críticas a respeito dos seus patrões, os seringalistas, e os mundos dos trabalhos onde estavam envolvidos. Dessa forma, pretende-se ampliar os campos de investigações historiográficas sobre uma parte significativa da Amazônia brasileira.

 

Palavras chave: Seringueiros; Acre; Microhistória.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22228/rt-f.v11i2.847

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista T&F está indexada nos seguintes serviços: Portal de Periódico da CAPES, EBSCO, BASE, Sumário de Revistas Brasileiras; Latindex, LivRe!, Google Acadêmico, Dialnet, DOAJ.

Periódico avaliado como B1 no WebQualis 2015 da CAPES na área de História; B2 nas áreas de Letras/Linguística, Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Ambientais.

ISSN 1984-9036

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.