Centralidade da Fronteira: Ensaio sobre a Origem e Evolução de Fronteiras Sócio-Espaciais

Antonio Augusto Rossotto Ioris

Resumo


A produção de fronteiras sempre foi fundamental para a circulação e acumulação de capital. A perenidade da emergência de novas fronteiras não é apenas em razão da demanda por minerais, terras ou outros recursos, ou porque as fronteiras representam novas oportunidades de mercado, mas crucialmente porque a fronteira opera como compensação pela saturação das relações capitalistas existentes nas áreas centrais. Na fronteira, a sequência convencional de tempo e espaço é suspensa e reconfigurada, permitindo a descompressão de tensões e contradições. Consequentemente, as fronteiras espaciais funcionam como um espelho, onde as características mais básicas e explícitas do capitalismo estão vivamente expostas. Este artigo examina o significado e a imanência das fronteiras espaciais, considerando-os como um laboratório de agência histórica e geográfica. Isso implica em uma reflexão sobre a necessidade, a configuração e a contestação das fronteiras espaciais, prestando especial atenção à incorporação econômica e territorial da região Amazônica e às perspectivas de resistência política.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22228/rt-f.v11i2.827

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista T&F está indexada nos seguintes serviços: Portal de Periódico da CAPES, EBSCO, BASE, Sumário de Revistas Brasileiras; Latindex, LivRe!, Google Acadêmico, Dialnet, DOAJ.

Periódico avaliado como B1 no WebQualis 2015 da CAPES na área de História; B2 nas áreas de Letras/Linguística, Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Ambientais.

ISSN 1984-9036

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.